quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

2011

Lá vou eu resumir 2011...
Até o fim de abril eu possuía um relacionamento conturbado, cheio de brigas e sofrimento, e o término dele já era esperado... acabei perdendo a pessoa que mais amava, mas a dor foi breve, pois logo me encarreguei de me apaixonar por outro (apenas para evitar de ficar sofrendo e me lamentando).
Tudo começou na Semana Temática da escola... eu stalkeava alguns garotos com as minhas amigas, fazia algumas oficinas e ouvia as bandas que tocavam pela manhã. Na quarta ou quinta-feira eu vi o garoto que parecia ser o homem da minha vida, do jeito que eu via no filme Engel + Joe (Oh Engel, como eu te amo...) e me apaixonei pela imagem que eu criei dele. Na sexta-feira passei o dia na escola, porque a banda dos amigos da minha irmã iam tocar à tarde, e eu também queria muito ver a minha nova paixão. Ele estava lá, e eu o stalkeei o máximo que consegui. Foi aí que decidi entrar no Projeto Entre Jovens com a Karolina, Helen e Laís (que era à tarde) só pra poder stalkear o dito cujo (e outras pessoas). Paguei muito mico, fiz muita besteira, mas me diverti pra caramba com as meninas. Faria tudo de novo, sem dúvida nenhuma.
Mais ou menos dois meses depois eu conheci um garoto que me pareceu muito interessante. Nosso relacionamento durou quatro meses, tempo suficiente pra que eu experimentasse os mais diversos sentimentos que é possível sentir por outra pessoa. Acabei descobrindo algumas verdades cruéis, que me fizeram deixar de acreditar na confiança e me traumatizaram um pouco.
Acabei me apaixonando por outro garoto, que me fez acreditar que o amor existe sim, e que é possível voltar a confiar e hoje eu estou bem feliz ao lado dele. Dessa vez eu vou tentar fazer tudo certo.
Recuperei alguns amigos, perdi outros. Mudei de escola, conheci gente nova. Fiz o que que queria sem pensar nas consequências. É... 2011 foi um ano cheio de mudanças. Algumas boas, outras nem tanto...

Sexta- feira, 13 de maio de 2011


segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

As letras de pagode começam a fazer sentido. Ouço Coração Radiante do Grupo Revelação e pequenos corações saem de mim. Será que isso é o amor que eu tanto vejo nos filmes? Eu não acredito que está acontecendo de novo (e de novo, de novo, de novo). Acontece sem parar! Por que eu não consigo parar de sorrir? O que está acontecendo comigo? Eu sinto falta da tristeza e melancolia que nunca me abandonaram. Toda essa felicidade me parece bem perigosa. Oh céus, oh vida, meu coração está acelerado, minhas mãos estão suando e meus olhinhos brilham mais que o Sol. Não, não pode ser amor. Cadê o ódio que sinto quando meu vizinho ouve sertanejo? Por que eu não quero mais matar todo mundo? Por que eu só penso em ficar ao seu lado? Por que você é a coisa mais importante do mundo agora? Já era a minha vida.


"Eu te quero só pra mim, como as ondas são do mar, não dá pra viver assim, querer sem poder te tocar." Grupo Revelação

E sim, eu estou ouvindo samba/pagode.

domingo, 25 de dezembro de 2011

A outra

E eu sigo tampando buracos, remendando corações e servindo como substituta. Sou um prêmio de consolo. "Toma, pega essa aqui pra você... não é como ela mas tem as mesmas funções." Acabei virando o seu brinquedinho, alguém que você usa por algumas horas apenas para se distrair e esquecer seus verdadeiros sentimentos. Você quer aprender a me amar, mas não sabe como. Eu sei a quem você pertence e não é a mim. Até quando vai insistir em mentir? Cansei dos sorrisos falsos e tanta esperança num futuro que nunca chegará. Por que você gosta tanto de me ver catando migalhas do amor que você supostamente tem por mim? É divertido?
É tão apavorante saber que depositei tudo o que tinha em você, sem saber o que vai fazer com meus sentimentos. Você não vai cuidar deles, disso tenho certeza. Você finge se importar, mas a verdade é que eu não passo de mais uma garota que entrou na sua vida e vai facilmente sair dela.

Eu vou ficar bem.

sábado, 10 de dezembro de 2011

"Hoje, nem consigo acreditar que tenho essa amizade... Isso realmente me faz chorar e querer que ela continue crescendo.
Quando eu olho pro passado maluco, em que nós duas nos odiávamos (não pense que era só você que tinha esse sentimento), eu realmente não sabia o que tava perdendo. Você entrou na minha vida agora, meio que do nada, e tá mudando ela completamente, quando algo de ruim acontece comigo, a primeira pessoa que eu penso em contar é pra você (pode acreditar). Nunca me importei com o que as pessoas pensam de mim e das minhas atitudes, mas o engraçado é que com os meus amigos é diferente, gosto de saber o que eles vão dizer quando faço algo de errado principalmente, e é exatamente assim que me sinto quando te digo algo, peço, sem medo, que você me diga o que fazer nos momentos de aflição, nos momentos em que tô completamente no chão, e você, praticamente do outro lado do Brasil, faz coisas que nem meus pais, que moram comigo, fazem.
Você realmente é especial, as pessoas que não vêem isso, sabe de quem eu falo, estão jogando o amor mais puro e verdadeiro que uma pessoa pode proporcionar. O seu amor, seu carinho e principalmente sua atenção me fazem ter esperanças de que o mundo não é totalmente ruim, que ainda existem pessoas que sonham e que priorizam realizar eles da melhor forma possível, e mais, que desejam que seus amigos, mesmo os distantes, estejam juntos em todos esses momentos bons.
Thamyres, eu, mais do que você, tenho que agradecer por tudo, tudo que você tem representando pra mim, esses meses que a gente tem se conhecido melhor, já tiveram muitos frutos, sinceramente, tudo isso tá sendo único.
Eu QUEEERO muito que nós continuemos assim, nos ajudando nos piores momentos (que só podem nos amar), e que estejamos unidas na hora de todas as vitórias que ainda estão por vir.
TE AMO DEMAIS AMIGAA <3"
Juliana Pinheiro
Por puro ciumes perdi muito tempo sem uma pessoa tão especial quanto você. Sempre ouvi histórias engraçadas a seu respeito, e sempre soube que você era uma garota muito, mais muito maluquinha. Eu te xinguei, te odiei, e desejei que você nunca tivesse aparecido na minha vida. Que arrependimento! Fui egoísta, eu sei, mas todos nós sabemos o quanto sentir ciúmes nos deixa irracionais e cegos. Muita coisa mudou, certos sentimentos desapareceram e deram origem a outros... e foi nesse momento que você entrou na minha vida com uma força descomunal. Descobri, aos poucos, quem você é, o que você prega e busca para as pessoas que vivem ao seu redor, e acabei me encantando com tudo isso. Sua vontade de ser feliz, o jeito com que você se levanta mais forte cada vez que te jogam no chão, o amor puro e inocente que você espalha por onde passa... e, principalmente, todos os conselhos extremamente sábios que você me dá contribuíram para que hoje eu esteja aqui, tentando tirar um sorriso do seu rosto com esse pequeno texto . Se hoje eu consegui o que queria, e você sabe bem o que é, foi graças à você. Eu te agradeço, Juliana, por tudo que você já fez por mim em tão pouco tempo de amizade. Você é única.

sábado, 3 de dezembro de 2011

Quando não houver mais nenhum sopro de vida em mim, nenhum sinal vital, nem sangue correndo pelas minhas veias, saberás que é esse o real fim. Quando olhares para o lado e minha sombra não estiver mais lá, sentirás a culpa percorrer cada pedacinho do teu corpo. Quando lembrares de cada mentira, cada traição, cada palavra maldita, o teu coração irá gelar, e para as profundezas do inferno eu te arrastarei, até que todo o teu corpo esteja queimando, e os teus gritos enlouqueçam até o pior dos demônios.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Sangue escorre
coração acelera
minh'alma morre
a sua espera.
Os dias passam
e não lhe vejo
Não importa o que façam,
só você eu desejo.
Chamam-me de louca
Por acreditar ainda
na felicidade, que é pouca,
mas muito bem-vinda.
Venha sobre mim
e apenas me aqueça
Eu sei que esse é o fim
Deixe que eu te esqueça.

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Socorro - Arnaldo Antunes


video
"Socorro! Alguém me dê um coração, que esse já não bate nem apanha. Por favor! Uma emoção pequena, qualquer coisa! Qualquer coisa que se sinta... tem tantos sentimentos deve ter algum que sirva."

Amigos virtuais

Hey, amigo, você tem estado comigo todos esses anos, vem chorando e sorrindo com cada desgraça, cada infelicidade e com cada mudança que ocorre em minha vida. Hey, amigo, é por você que eu continuo aqui. Hey, amigo, acorde! Esteja ao meu lado, eu preciso de você. Hey, amigo, não me abandone, é nesse momento em que eu mais quero sua companhia. Hey, amigo, alguns mil quilômetros nos distanciam, mas é isso que me faz te amar cada dia mais. Hey, amigo, você não pode desistir de nós agora. Hey, amigo, você é o meu suporte, é pra você que eu corro nas horas de dificuldade. Hey, amigo, não fuja, não se distancie. Hey, amigo, me abrace forte e diga que tudo ficará bem. Hey, amigo, só mais uma vez, arranque um sorriso do meu rosto como nos velhos tempos. Hey, amigo, deixe-me ouvir sua voz no orelhão em frente à igreja novamente. Hey, amigo, se eu tanto lhe quero, é porque sei o quanto você faz bem à minha alma. Hey, amigo, não me traia, eu sempre estive aqui pra você. Hey, amigo, eu preciso do seu ombro e do conforto que você me dá. Hey, amigo, nada substituirá nossas horas de conversas bobas no MSN. Hey, amigo, sei que está longe, mas sinto teu calor chegar até mim. Hey, amigo, eu dividi com você meus segredos, paixões, amores platônicos durante todo esse tempo e você nunca me julgou. Hey, amigo, é hora de vir até mim. Hey amigo, não me faça sofrer mais, já é suficiente não lhe ter aqui ao meu lado.

Hey, amigo, se hoje eu tenho forças para acordar, me alimentar e sorrir diante de tanto mal que o mundo vem me causando, é porque você esteve comigo todos esses anos, me dizendo o que fazer, orientando meu caminho e criando esperanças em mim. Hey, amigo, você é a minha grande paixão.


Uma pequena homenagem aos meus amigos, quase irmãos, virtuais. Não importa o que digam sobre isso, eu continuo os amando imensamente.

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

O pássaro

Pousou em uma árvore exuberante, com galhos e folhas atraentes para um bom descanso. O pequeno e frágil pássaro olhou ao seu redor, mas não deu importância a liberdade que tinha, ao carinho e companhia de outros da sua espécie, aos voos livres, ao vento tocando suas penas e transformando sua vida num verdadeiro paraíso. Ele continuava a sentir um vazio no peito, nada estava bom o suficiente para ele. Foi nesse momento que avistou uma janela entreaberta e decidiu que exploraria o local de perto. Passou pela janela e pousou em cima de uma cadeira velha e empoeirada. O lugar tinha um aspecto estranho, nada confortável e seguro, mas possuía uma mesa limpíssima, com comida farta sobre ela. Apesar do medo que aquele lugar desconhecido causava ao pássaro, ele decidiu que comeria tudo o que estivesse ao seu alcance, e aproveitaria ao máximo sua nova experiência. E aproveitou. Beliscou um pouco de cada comida. Depois de toda aquela fartura, o pássaro resolveu permanecer no local um pouco mais, esperando que algo acontecesse. Bom... aconteceu. Um homem com vestimentas suspeitas, alto e magro agarrou o primeiro pano que viu em sua frente e jogou sobre o frágil corpo daquele inocente pássaro. Aconteceu tão rápido, tão repentino que o animal ficou desnorteado. O homem segurava o pássaro envolto no pano com uma mão, e com a outra subia à mesa uma gaiola velha que se encontrava no chão. Apressou-se em jogar, sem nenhuma delicadeza, o pequeno animal dentro dela. Quando a gaiola foi devidamente fechada e o pano retirado do corpo do pássaro, o desespero tomou conta daquele ambiente. Asas batendo, bicadas nas grades enferrujadas da gaiola, pios medonhos e assustadores saíam daquele animal, que lutava com todas as suas forças para sair de lá. Todo o esforço foi em vão. Já cansado de tanto lutar, o pássaro percebeu que não sairia daquele lugar nem tão cedo, e por isso aquietou-se. A noite chegou, e o pássaro tremia de frio e medo. O homem, que já havia retirado da mesa toda a comida, colocou um pouco de água e sementes para alimentar sua nova presa. O pobre pássaro não possuía forças nem para se alimentar. A noite passou, o dia começou a clarear e o pássaro não se movimentava. As horas passavam e nada mudava. A noite começava a chegar, novamente. Para a sua própria sobrevivência, o pássaro resolveu comer um pouco das sementes. Os dias se passaram e o homem não fazia nada com o pássaro. Apenas o alimentava e limpava sua gaiola. Semanas e meses se passaram desde a captura do pequeno animal, e nada mudava. Era sempre a mesma rotina: colocar a comida, a água e limpar a gaiola. Sentindo-se solitário, sem vida e privado de voar, o pássaro decidiu que sairia daquela gaiola de qualquer jeito, mesmo que isso custasse a sua vida. Passou o dia planejando um modo de sair dali. Não tinha muitas opções, e por isso decidiu que quando abrissem a gaiola para limpar e colocar comida, ele bicaria a mão do homem até não conseguir mais, se chocaria contra as grades da gaiola e assustaria o homem de todos os jeitos possíveis, até que ele se assustasse e retirasse a mão de dentro da gaiola, permitindo a passagem do pássaro. Esperou até que esse momento chegasse e executou o plano exatamente do jeito que havia previsto. Suas asas estavam um pouco atrofiadas por ter permanecido tanto tempo sem voar, e enquanto se esforçava para chegar à janela que permanecia entreaberta, o homem pegou uma faca e arrancou um pedaço da asa do pássaro, mas não foi o suficiente para impedi-lo de se chocar contra a janela e se arrastar até cair para fora e bater seu corpo na grama seca. Sangrando e sentindo muita dor, o pássaro seguiu se arrastando até encontrar um grupo de outros pássaros, que o ajudaram e cuidaram dele. Ele nunca mais conseguiu voar, permanecendo no chão o resto de sua vida. O homem continuou aprisionando outros pássaros, que às vezes morriam, às vezes conseguiam escapar.

(Como uma analogia ao meu presente)

O que você vê quando se vê?

Defenda a todo o custo aquilo que você é. Não deixe que destruam sua personalidade, que influenciem você. Não importa o que fizerem, o que disserem, lute por aquilo que você defende. Não deixe que te abalem, e quando murmurarem sobre o que você gosta, ama e protege, afaste-se. Ninguém é superior à você. Ninguém é inferior à você. Descubra por quem ou o que você vive. Agarre isso com todas as suas forças. Mas, se tentarem te ajudar, fazer com que evolua e melhore, aceite de braços e mente aberta. Se está contente e satisfeito com quem você é, e isso não atrapalhe a vida de outras pessoas, então continue a ser do seu jeito, sem interferências de pessoas que não sabem nada sobre sua vida. Ouça os conselhos, as dicas, as broncas e absorva o que é bom pra você, deixando de lado tudo que é inútil e não contribuirá para uma possível mudança. Não deixe que te digam o que fazer, como agir e pensar. Não é possível conhecer quem nós somos por inteiro, mas é necessário que façamos buscas dentro de nós para saber o que se quer, o que se ama.

É importante que todos os dias se tente descobrir um pouco mais sobre nós mesmos.
Quem eu sou? Bom, acredito que nunca descobrirei, mas tentarei descobrir o máximo que puder. Quando estiver chegando à loucura, saberei que é hora de parar e deixar um pouco do mistério da minha existência penetrar em mim.

Pro negão

Ano acaba, ano começa, amizade termina, a gente briga, se estranha, se xinga, sofre, eu mudo, ele muda, eu choro, a gente chora junto, ele me faz rir, acaba com meu coração, joga habbo comigo, mas aconteça o que acontecer, ele sempre está lá. É Israel... pelo visto essa amizade é eterna. Eu te amo <3

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

video

Nostalgia, nostalgia, nostalgia...
Só queria voltar em 2006 e fazer tudo direito, do meu jeito. Queria ter entendido o que acontecia e ter aproveitado ao máximo.
Ah, o amor...
Aquele não era o fundo do poço.... Sabe, eu amo quem você é, mas amaria muito mais quem você poderia ser.

É tempo de dizer adeus.

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Ph me ensinando o que é amor

"Amar é igual se jogar num poço, mas saber o que você vai encontrar. É como andar de olhos fechados sem ter medo, por ter alguém em quem você confia tudo te guiando pelo caminho.
É ter alguém pra estar com você pro melhor e pro pior e saber que quem você ama sente o mesmo por você."

Ismael Philip

Dois horários vagos de Português III

Por que diabos isso significa tanto pra mim?

Respeito é a base de tudo. Compromisso... o segundo grau da nossa pirâmide de relacionamentos a dois (três, quatro...), que logo vem seguida de compreensão, companheirismo, intimidade e diálogo. E aí você se pergunta onde fica o amor. Ah, o amor... Pode parecer estranho, mas fundamental não é mesmo o amor (e não é impossível ser feliz sozinho). Na verdade ele nem precisa existir quando se fala dessa pirâmide. Ele pode ficar lá no topo, pequenino e escondido, aparecendo raramente. O amor torna tudo mais difícil, mais intenso e verdadeiro. O problema é que a maioria das pessoas não sabem lidar com isso e o amor acaba se tornando uma dificuldade. Não é preciso amar, é preciso apenas suportar a presença do outro. Isso já é o suficiente.

Masss, se você procura um pouco de estresse, ciúmes e aquele sentimento lindo de solidão, ame! Ame loucamente, ame todos, o tempo todo.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Dois horários vagos de Português II

Eu não sei onde estou me metendo, nem sei com quem estou me envolvendo. Eu não sei se isso é bom pra mim, nem sei quando e como vai acabar. Não posso me preocupar com o futuro, pois sei que ele é incerto. A única solução é viver cada momento, sem preocupações, restrições e compromisso. Sei que é assim que você vive. Não está tudo bem... na verdade nunca esteve.
Suas mentiras atingiram o limite máximo e eu não sei mais o que fazer nem o que esperar de você. A verdade é que eu não espero mais nada de ninguém. Cansei de ser iludida, trocada e jogada fora.

Dois horários vagos de Português I

O relógio avisa que são 9 horas. A apreensão toma conta daquele pequeno e frágil corpo. O que acontecerá agora? Será esse o meu fim? Acho que não vivi o suficiente... nunca realizei nenhum dos meus sonhos, nunca vi sair do meu rosto um sincero sorriso. Não, esse não pode ser meu fim. Não é assim que eu imaginei que acabaria. Eu não posso aceitar isso. E é só por esse motivo que eu sento, observo as árvores, os bancos e as nuvens se movimentarem uniformemente sobre um mundo rodeado de caos, miséria, injustiça e pessoas que são capazes de fazer as mais horríveis coisas por um pouco de esperança na sua própria vida.
Jovens se drogam, bebem, fumam, enquanto tudo permanece na mesma. Já não tenho mais esperança nesse mundo. Pelo menos eu vou conseguir me salvar. Qual será o final? Acabará mesmo desse jeito? E se eu fizer algo? Acho que é tarde demais. Meus pensamentos se tornam cada vez mais confusos. Eu agonizo em meio a risos, futilidade e aquilo que as pessoas costumam chamar de felicidade. Nada disso me atinge. Mas está tudo bem... as coisas são assim mesmo... é preciso esperar (em vão, talvez). Mas a chama da vida não pode apagar, não pode de jeito nenhum.

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

04/05/11

Quero que digam
Quando eu morrer -brevemente-
Que amei, mais do que devia
Que chorei, chorei rios de lágrimas
Que fui uma desgraçada

Quero que digam
Que a minha mocidade foi infeliz
Não levarei dela uma lembrança
Para os altos céus

Não quero que digam nada mais
Nada além
Quero a tragédia exaltada

Quando eu morrer -brevemente-
Quero o luto, o ódio
Não quero amor, compaixão
Nem sequer piedade
Quero apenas tragédia,
melancolia, solidão

Quando eu morrer -brevemente-
Compartilharei o melhor do mundo:
A dor.
É o que quero,
quero intensamente

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Se a solidão tivesse cor
Essa seria toda preta
Mas quando te vejo
Todo vestido de solidão
Penso que não sejas assim
Não mereces tamanha tortura
Tal desgraça pertence a mim
Só eu a suporto e a tenho
Mas quando seu olhar cruza o meu
Um contentamento e palpitação
Dominam todo meu coração
E assim, toda desconcertada,
Sigo vivendo e sonhando
Em busca de menos solidão

Poeminha pra todos aqueles que vestem ou amam alguma solidão

Melancolia extraviada

Hoje, nesse exato momento, tento estar em um ponto de equilíbrio entre o bem e o mal. Estou no meio, no meu estado mais puro e simples. Mas o que eu quero ainda não consegui: a transcendência, o estado de graça maior. O alcançarei? Ah, quem me dera saber! O busco? Com todas as forças! Tenho esse objetivo. Talvez o único... talvez eu ainda viva só por ele. Transcender é ir além, superar limites. Vivo num estado de constante deprimência. Um dia bem, outro fatal... e assim sigo respirando. Sou vítima dos meus pensamentos. Pensamentos esses que me sufocam o tempo inteiro. Mas, mesmo assim, continuo buscando a minha evolução, que dificilmente será notada por outras pessoas, mas isso pouco importa. A única coisa que importa agora sou eu. Chega de me preocupar com gente que nunca se preocupou comigo. Chega.

Melancolia acentuada

Por que eu insisto em buscar a felicidade? Por que luto tanto por algo ou alguém que eu nunca vou ter? Tenho que aceitar minha condição. Nasci pra ser infeliz. Isso foi imposto à mim e eu não posso mudar esse destino. Procurar a felicidade em becos, coturnos, poesia, amor, natureza ou qualquer outra coisa existente na Terra é perda de tempo. Não há o que procurar. Não existe nada pra mim. No final das contas o que eu vou ganhar é a morte. Às vezes a minha única vontade é esperá-la chegar dormindo numa cama. Que demore anos, décadas, séculos. Que demore o tempo que quiser, mas que chegue trazendo minha recompensa: a paz. É o que desejo. Continuo vivendo, mas sei que tudo isso é em vão.

Sozinha não conheço mais a dor

Posso dizer hoje que sei o que é bom pra mim. Posso dizer que aprendi a ser quem eu quero ser e não quem eu deveria ser, baseando-me nos conceitos de gente que não me conhece e não sabe como minha mente funciona. Eu sei o que mantém viva, sonhando e pensando num futuro próximo. Eu não morri. Permaneço mais viva do que nunca. Ainda tenho pensamentos confusos e obscuros, mas eles se tornaram menos frequentes... o universo finalmente conspira ao meu favor. Tudo que senti permanece intacto na minha memória, mas já não habita mais a minha rotina. Foram ótimos dias, mas creio que melhores virão. Eu posso sentir o amor de novo. Doce e inocente amor pela vida, pelo céu, pelo mar (lago Paranoá), por tudo que me cerca. Eu posso ver que a vida vale mais, que a vida vai muito além do mundinho que eu idealizei há tempos atrás. As coisas não funcionam do jeito que eu quero, mas sim do jeito que têm que ser. Ainda não me acostumei com todas as mudanças, mas sei que são boas pro meu espírito, corpo e mente. E isso é só o começo.

domingo, 15 de maio de 2011

Voltei

E quem disse que eu consigo ficar longe disso aqui? Jurei que nunca mais escreveria... nem sobre mim, nem sobre sentimentos, nem pra ninguém. Queria ficar longe das letras... mas eu não consigo.
Bom, amigos, estou de volta... e mais forte do que nunca (eu estou forte, mas o que eu escrevo vai continuar sendo um lixo, como sempre foi).

Céu

É olhar pro céu e ter a certeza de que dias melhores virão. Aquela imensidão azul faz com que minha vida e meus problemas se tornem insignificantes. Eu sei que tudo vai ficar bem quando vejo nuvens e árvores se misturando num mundo onde nada acontece por acaso. Há uma razão pra tudo isso. Aprendi através da natureza que eu posso tirar proveito das piores situações possíveis. Descobri que tenho o dom de ser quem eu quero ser na hora que eu quiser, apenas de olhar pra grandeza do mundo. Se tem algo nesse universo que me faz querer ser mais do que eu sou é o céu... minha inegável paixão. Lágrimas já rolaram do meu rosto só de pensar que as pessoas não dão valor no que está acima de nós. É como um remédio pra alma... e realmente cura.

terça-feira, 26 de abril de 2011

Último post

Desativarei o blog, deixando como último post um poema da minha amada, adorada e perfeita poetisa Florbela Espanca, que sabe como ninguém transformar seus pensamentos em poema e arte. Pensamentos esses bem parecidos com os meus.

Nunca fui como todos
Nunca tive muitos amigos
Nunca fui favorita
Nunca fui o que meus pais queriam
Nunca tive alguém que amasse
Mas tive somente a mim
A minha absoluta verdade
Meu verdadeiro pensamento
O meu conforto nas horas de sofrimento
não vivo sozinha porque gosto
e sim porque aprendi a ser só...
(Florbela Espanca)


Espero que tenham gostado de todos os textos, espero não ter ofendido ninguém. A razão da existência desse blog já não pertence mais a mim. Partiu, se foi com pedaços do meu coração.

Boa sorte à todos e que Deus os acompanhe em cada passo de suas vidas.

sábado, 23 de abril de 2011

"Eu virei te ver. Quando te colocarem na cruz, com as doze barras de ferro cravadas nos seus joelhos, quando o público finalmente estiver cansado dos seus gritos e ferimentos, eu observarei o seu sangue caindo e sentado junto à você vou olhar profundamente nos seus olhos e, gota a gota, eu despejarei todo o meu nojo nelas, como ácido ardente até, finalmente, você morrer."

Perfume: A história de um assassino

Ódio por ele? Não…Se o amei tanto,
Se tanto bem lhe quis no meu passado,
Se o encontrei depois de o ter sonhado,
Se à vida roubei todo o encanto…

Que importa se mentiu? E se hoje o pranto
Turva o meu triste olhar, marmorizado,
Olhar de monja, trágico, gelado
Como um soturno e enorme Campo Santo!

Ah! Nunca mais amá-lo é já o bastante!
Quero senti-lo d'outra, bem distante,
Como se fora meu, calma e serena!

Ódio seria em mim saudade infinda,
Mágoa de o ter perdido, amor ainda.
Ódio por ele? Não…não vale a pena…

(Florbela Espanca)

terça-feira, 19 de abril de 2011

Pense comigo

Antes de tudo: eu não vou ofender você. Só estou cansada de tanto ouvir "nossa, você é tão intolerante", "calma, não precisa ficar nervosa", ou "tem que respeitar a opinião dos outros". É, eu tenho mesmo que respeitar a opinião dos outros, mas não devo de forma alguma aceitá-la. Eu não tenho que aceitar crianças de 9 ou 10 anos dizendo que amam rock simplesmente porque um grupo de jovens resolve cantar músicas que falam sobre amor e se vestem como garotas. Não tenho que aceitar que mulheres sem o mínimo potencial para se transformarem em cantoras sérias apareçam na minha televisão semi-nuas. Eu não tenho que aceitar que um filme cheio de erros e sem nenhum nexo acabe com toda a mitologia de um personagem importantíssimo na literatura e o transforme em uma coisinha fofa. Eu não tenho que aceitar que jovens com maturidade suficiente pra saber o que é certo e errado zombem de outras pessoas que não correspondem ao padrão de beleza imposto pela sociedade. Eu não tenho que aceitar os jovens da minha geração que não fazem nenhum julgamento do que é bom ou ruim, que aceitam tudo que é divulgado.
Hoje em dia ter opinião significa odiar tudo. Agora, quem contesta ídolos teen são intolerantes, mal amados, querem ser "o diferente". Não, eu não posso ter uma opinião. Eu não posso questionar o talento das pessoas quem aparecem como "artistas" na sociedade. Cansei de ser julgada pelo que sou e defendo. Agora é a minha vez de julgar.
Desculpa se eu penso diferente da maioria...
Existe uma coisinha chamada opinião que sumiu do dicionário da maioria das pessoas. Espero que um dia ela volte a ser usada.

segunda-feira, 18 de abril de 2011

video

Estou me desfazendo.

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Seja falso e me agrade

Todo dia, toda hora, todo instante eu me decepciono com alguém. A razão disso? Bom, eu sempre espero e planejo reações que ninguém nunca faz. Quando conto uma história, uma novidade ou algo que aconteceu comigo sempre espero determinada reação. Ela nunca aparece. Me decepciono com a pessoa. Faço algo que eu não gosto de fazer só pra agradar e não recebo o mínimo mérito. Tento ser melhor, mais paciente, mais humana e ninguém nota.
Por que eu não posso simplesmente prever o que as pessoas vão me dizer ou então manipular as respostas? Só queria não me magoar com isso. Tantas lágrimas seriam poupadas. A verdade é que ninguém se importa. Estão todos pouco se lixando pra mim e pra minha vida... Mas nunca vou perder a esperança de receber a devida atenção de alguém. Um alguém que me entenda e diga o quanto eu sou especial, mesmo que seja só pra me agradar.

quinta-feira, 24 de março de 2011

Punk que é punk morre punk?

O punk é um movimento musical e social que surgiu na década de 70 na Inglaterra* e se espalhou pelo mundo. No Brasil, o movimento começou em São Paulo e logo se propagou pelo resto do país. Mas o que é punk? Cada pessoa que entenda do assunto vai julgar o punk de uma forma. Pra quem viveu nessa época, o punk vai significar uma parte de suas vidas. Pra mim, que estudo e analiso o punk de fora, apenas ouvindo o que os punks daquela época fizeram, entendo que o movimento surgiu como uma escapatória para os jovens desempregados, sem esperança de futuro e cansados do mesmo discurso do mundo. Faziam música com 3 acordes, muito grito e letras com cunho político. Buscavam através da música um jeito de falarem do seu cotidiano e da miséria do povo. Rebeldia, quebradeira, roupas rasgadas e muita música. Isso é punk.
Mas, afinal, quem é punk morre punk? Quem se diz punk, envelhece e deixa de ser, significa que nunca foi? A pouco tempo atrás eu achava que se uma pessoa era punk ela deveria permanecer assim até o final de sua vida. Se ela deixasse de ser, então ela nunca foi. Mas, porém, contudo, todavia, mudei de pensamento. O punk é uma fase na vida de algumas pessoas. Uma fase que passa. É claro que existem exceções, mas na grande maioria das vezes, é possível ver que os punks dos anos 70, 80, 90 se tornaram cidadãos comuns. Afirmo isso baseada no documentário Botinada, que consiste em relatos de ex-punks e integrantes de importantes bandas da cena punk. A grande maioria deles fez carreira em diferentes áreas, alguns "se deram bem", outros fazem bicos pra sobreviver. O que se pode concluir é que o punk marcou e ainda marca a vida de diversas pessoas e não se pode afirmar que uma pessoa não era punk de verdade só pelo fato de ter deixado o movimento. O punk nos faz pensar e evoluímos fazendo isso. Se já atingimos um ponto X na nossa evolução, é hora de partir pra outra.

* Origem ainda muito discutida.

terça-feira, 22 de março de 2011

Cidade


Andando pelas ruas pode-se notar que as pessoas não sorriem, não demonstram sequer prazer em viver ou satisfação pela vida que levam. Estão sempre com pressa, correndo, sérias. Os carros sempre estão com os vidros fechados, mesmo com um calor infernal. Pra que isso? Medo de ver o mundo? De sair de seus casulos e enxergar um pouquinho mais além?
As casas tem os muros altíssimos e não tem grades, janelas, fendas ou aberturas. Tudo isso é medo de ser assaltado. Mas qual a graça de possuir e não aproveitar? Qual a graça de ter vida e não vivê-la? Ninguém está contente com a sua própria vida. Sempre querem mais... mais dinheiro, mais conforto, mais espaço, mais fama, luxo... E os sentimentos, onde ficam? Guardados no bolso, junto com as moedinhas de 10 centavos. A convivência com outras pessoas só acontece quando uma delas quer algo em troca. Ninguém mais pensa. O pior é que eu não sei se as pessoas sempre foram assim, ou se isso é algo novo na humanidade.
Liberdade. Andar descalço. Cantar alto na rua. Acenar pra uma pessoa que não conhece. Sorrir. Sem muros altos. Mais árvores. Menos carros. É o que todos nós queremos lá no fundo. Fazê-lo? Não... o comodismo já tomou conta.

A necessidade de ser necessidade pra alguém

Ele é minha vida. A vida dele é minha vida. Logo, entende-se que ele possui uma, mas eu não. Acordo imaginando como ele acordaria, ando pensando em como ele andaria, falo tentando descobrir como ele falaria. Ele possui uma vida cheia de pessoas interessantes, amigos divertidos e que sabem tudo sobre ele. Eu não possuo nada. Na verdade, eu possuo apenas a ilusão de que o possuo. Ele é fundamental e extremamente necessário no meu dia-a-dia. Mas, pra ele, eu não sou necessidade, mas sim um simples complemento. Sem a minha presença a vida dele continuaria a mesma, a rotina seria igual. Sem ele eu não viveria, apenas sobreviveria e suportaria cada suspiro que ainda surgiria em mim. Cada amigo executa uma ação que eu deveria executar. Sentir minha falta? Nem pensar. Não há necessidade. E eu mergulho em pensamentos sombrios. Ele não deveria possuir vida. Eu deveria ser a vida dele. Destino injusto... me presenteou com o meu oposto. Meu único desejo é trancá-lo em um mundo paralelo, em que haja apenas minhas lágrimas e eu. Egoísmo? Não. Apenas busco minha infelicidade nos lugares mais improváveis e faço da felicidade alheia a arma que atira em meu peito. Masoquismo? Muito provável. Minha alma sofrida é um troféu. Louca? Talvez eu seja mesmo... mas tudo isso faz sentido pra mim e um dia fará pra você também.

segunda-feira, 21 de março de 2011

Família

Durante a nossa vida inteira dezenas de pessoas aparecem nela. A transformam, mudam quem você é, positiva ou negativamente, fazem você descobrir novos mundos, novas ideias, escutam os seus problemas e conhecem seus sentimentos e pensamentos. Mas, depois de um determinado período, prolongado ou não, elas vão embora. Deixam suas marcas e querendo ou não, um pedaço delas permanecem em nós. Há, entretanto, um grupo específico de pessoas que não saem de nossas vidas nunca, exceto quando morrem. Essas pessoas estão conosco desde o momento de nosso nascimento. Conhecem como funciona nosso corpo, qual nosso tipo sanguíneo, o que gostamos de comer, assistir e fazer, mas, às vezes, elas não sabem o que nós pensamos ou sentimos, afinal, elas não são da mesma época que nós. Quando adoecemos, elas sabem exatamente o que fazer e o que dizer pra nos confortar. Limpam nosso vômito durante a madrugada. Deitam ao nosso lado até a febre ir embora. Arrumam, cozinham, limpam, trabalham, costuram, lutam por nós. Amor incondicional. Talvez nós nem mereçamos tanto, mas eles fazem. Estão presentes em todos os momentos, brigando por nós. Nem todos esses grupos específicos de pessoas são iguais. Há grandes diferenças entre um e outro, mas o meu é do jeitinho que eu descrevi. Agradeço a Deus todos os dias da minha vida pelo maior presente que ele poderia me dar: minha família. Sem essa instituição sagrada, eu não seria nada. Não teria conhecimento nenhum, felicidade, educação, estrutura, amor, compreensão e milhares de outras coisas que só uma família pode dar a uma pessoa.
Às vezes esquecemos da importância da família e colocamos amigos, namorados, colegas, professores na frente dela. Mas, quando estamos no fundo do poço, só a nossa família está lá pra nos ajudar.

sábado, 19 de março de 2011

V

Vai. Anda. Vê. Observa. Aproxima. Conhece. Conversa. Gosta. Some. Chora. Volta. Constrói. Conhece mais. Desabafa. Desiste. Espera. Luta. Conquista. Apaixona. Ama. Confessa. Confia. Destrói. Morre. Espera mais. Nasce. Reconstrói. Briga. Chora mais. Esquece. Tranquiliza. Tenta. Retorna. Confia mais. Apaixona mais. Brinca. Magoa. Pensa. Continua. Ama mais.

Força.
Coragem.
Vergonha.

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

"Seu pai está dando todas as dicas de que é um saruê"